Ao utilizar este website está a concordar com a nossa política de uso de cookies. Para mais informações consulte os nossos Política de Privacidade.

OK

Apoiamos as comunidades e os produtores locais para contribuir para o desenvolvimento social de Angola e Portugal.

Projeto 2020
Relatório sobre o Óleo Essencial de Arbusto da Ressurreição por Marco Valussi

Fichas Técnicas (POWO 2023; Figueiredo, Smith 2008)
 

  • Nome científico: Myrothamnus flabellifolius Welw (Apont: 578 (1859))
  • O nome deriva de myron (aromático) e thamnos (arbusto), enquanto flabellifolia significa "folhas em forma de leque"
  • Sinónimos: Cliffortia flabellifolia (Welw.) Sond. in W.H.Harvey & auct. suc. (eds.), Fl. Cap. 2: 597 (1862); Myrothamnus flabellifolius subsp. elongatus Weim. Bot. Not. 1936: 458 (1936); Myrothamnus flabellifolius subsp. robustus Weim. Bot. Not. 1936: 459 (1936).
  • Filo: Angiospérmicas
  • Ordem: Gunnerales Takht. ex Reveal (Novon 2(3): 239. 1992. (13 de outubro de 1992))
  • Família: Myrothamnaceae Niedenzu (Nat. Pflanzenfam. 3(2a): 103. 1891. (9 de março de 1891))
  • Subfamília:
  • Género: Myrothamnus Welw (Apont: 578 (1859)). A área de distribuição natural deste género é do Quénia à África do Sul, Madagáscar.
  • Espécies incluídas: Myrothamnus flabellifolius Welw; Myrothamnus moschata (Baill.) Baill. ex Nied.
  • Nomes populares: Mufandichimuka (Shona), Umfavuke (Ndebele), Uvukabafile (Zulu), Moritela Tshwene (Setswana), uvukwabafile (Zulu); Canasta (Ngoni); arbusto da ressurreição; planta da ressurreição
     

     

Introdução

O arbusto/planta da ressurreição é, como os nomes vernáculos implicam, uma planta com uma caraterística notável e única: pode reviver da morte aparente (uma caraterística notada por Weiss em 1906).  Cresce normalmente em zonas expostas a extremos consideráveis de temperatura dia/noite e a um abastecimento de água irregular, com condições de meses secos de inverno com chuvas de verão. Por esta razão, as plantas têm de ser capazes de sobreviver a uma desidratação severa e de existir num estado quiescente dessecado durante longos períodos, até dois anos.

Quando dessecadas, as folhas dobram-se e mudam de cor, passando de verde a castanho-escuro, e a planta parece completamente morta. Mas, surpreendentemente, a planta "ressuscita" quando é re-hidratada, geralmente 24-72 horas após a primeira chuva significativa. Isto pode acontecer devido a algumas características excecionais desta espécie, a única planta de ressurreição com caules lenhosos: aparentemente, os condutos do xilema são ricos em lípidos que impedem a cavitação irreversível e facilitam a re-hidratação; além disso, a espécie mantém a clorofila e os tilacóides intactos durante a dessecação (é uma planta homoioclorofílica tolerante à dessecação), permitindo uma recuperação mais rápida da fotossíntese e do crescimento após a re-hidratação (Tuba, Lichtenthaler 2011); além disso, a folha da planta dobra-se em forma de leque contra o caule para reduzir o nível de luz incidente que atinge os fotossistemas (Moore, et al. 2007). Perde até 95% do seu conteúdo de água protoplasmática, resultando numa importante reorganização anatómica e ultra-estrutural do tecido foliar, e apresenta empilhamento das membranas tilacóides dos cloroplastos, para minimizar o stress foto-oxidativo.  Com a reidratação, a planta pode revitalizar o metabolismo, a atividade fotossintética e o crescimento (Moore, et al. 2007; Nantapo, Marume 2022; Viljoen et al. 2002; Erhabor et al. 2020).

A planta é originária da África Austral, mas está amplamente distribuída na África Equatorial e Austral (Quénia, Tanzânia, Malawi, Moçambique, Zâmbia, Zimbabué, Suazilândia, Lesoto, Botswana, Namíbia, Angola e Zaire) (POWO 2023; Chagonda, Makanda, Chalchat 1999).  Cresce normalmente em zonas rochosas, encravada nas fendas pouco profundas e bem drenadas de grandes afloramentos ou rochedos de arenito e granito, em regiões montanhosas entre 900 e 1200 m de altitude (Keraudren-Aymonin 1975).

É uma planta dióica pequena, lenhosa, arbustiva, xeromórfica e aromática, com cerca de 0.3 a 0.9 m de altura (embora na literatura se afirme que pode atingir os 2 m). Pode ser prostrada ou erecta, e apresenta muitos ramos tetragonais que rapidamente se tornam lenhosos.  As folhas são pequenas, opostas, sésseis e aromáticas, em forma de leque quando frescas mas entrançadas quando secas. As flores (masculinas e femininas) florescem de novembro a maio, de cor verde a rosa intenso, agrupadas em espigas terminais geralmente com 2-3 cm de comprimento. As resinas e os compostos voláteis que dão o aroma às partes aéreas estão contidos em dutos de resina ou óleo (Viljoen et al. 2002; Figueiredo, Smith 2008; Germishuizen, Meyer 2003; Retief Meyer 2017; WFO 2023).

Utilizações

Esta planta ocupa uma posição importante no folclore e na medicina tradicional africana.  Em primeiro lugar, a caraterística especial e ressuscitadora desta planta é usada como um símbolo de esperança no tratamento psicológico tradicional africano contra a depressão grave, e o chá é usado para "trazer os doentes de volta à vida" (Viljoen et al. 2002) e no tratamento de várias doenças, incluindo epilepsia, distúrbios mentais, tosse, constipações e doenças respiratórias, asma, dor, acidente vascular cerebral, herpes zoster, diabetes, hipertensão, feridas, doenças dos rins e do peito, dores nas costas, hemorróidas e dores menstruais, infeções, inflamação. (Erhabor et al. 2020; Viljoen et al. 2002; Nantapo, Marume 2022; Lisowski, Malaisse Symoens 1970a; Lisowski, Malaisse, Symoens 1970b).

A nível externo, a planta tem sido utilizada para tratar abrasões e as folhas secas em pó são utilizadas em pensos para queimaduras e feridas.   Há também um uso intrigante (dado o conteúdo em resinas e compostos voláteis) da planta, a inalação do fumo produzido na queima do material vegetal.  Este fumo é suposto tratar dores no peito e asma: o povo Pedi fuma as folhas em cachimbos para obter este efeito, e as folhas podem ser misturadas com tabaco e fumadas para curar doenças brônquicas. O fumo também pode ser redirecionado para a vagina para tratar infeções e dores no útero (Viljoen et al. 2002; Nantapo, Marume 2022; Kokwaro 1993).

Em termos de possíveis desenvolvimentos na exploração comercial da planta, é de salientar que a planta foi classificada como subutilizada, sendo apenas colhida por ervanários ou comunidades rurais para fins medicinais. Um dos problemas é que a planta não produz grandes quantidades de biomassa acima do solo (20-30 kg de galhos por dia colhidos por colectores profissionais), e só o faz na estação do verão se a chuva for suficiente para ressuscitar a planta seca. (Nantapo, Marume 2022).

As folhas e os ramos são utilizados para preparar um chá de ervas medicinais que se diz ter um potencial de comercialização devido ao seu sabor agradável (Chukwuma et al. 2019), como chá funcional, fonte de produtos cosméticos e outros produtos farmacológicos (Nantapo, Marume 2022).

Metabolitos secundários como produtos.

Aparentemente, as duas grandes classes de metabolitos secundários com aplicações promissoras são os polifenóis e os compostos voláteis (terpénicos).

Polifenóis

Os polifenóis dominantes na planta são os ácidos galoilquínicos e os derivados do ácido hexa-hidroxidifénico de galoil glucose: ácido 3,4,5-tri-O-galoilquínico (44% (em peso) nas folhas hidratadas e 74% (em peso) nas folhas desidratadas. ) e ácidos galoilquínicos de peso molecular mais elevado: ácido gálico, ácido cafeico, ácido ferúlico, galato de metilo, epicatequina, quercitrina, isoquercitrina, hiperósido e, além disso, glicosídeos de caempferol como a astragalina, a trifolina e a afzelina. Os ácidos galoilquínicos podem ser utilizados como marcadores quimiotaxonómicos para distinguir entre plantas de diferentes regiões (Nantapo, Marume 20222; Chukwuma et al. 2019; Moore et al. 2005a; Moore et al. 2005b).  Estes polifenóis estão muito provavelmente ligados a várias das propriedades farmacológicas da planta: antioxidante, antimicrobiana, antiviral, antidiabética e anticancerígena (Nantapo, Marume 2022).

Compostos voláteis

Uma vez que os trabalhos anteriores estavam confusos relativamente à composição do óleo essencial, reportando a carvona e o ácido perílico como componentes principais, juntamente com o 1,8-cineol e o diosfenol, Chagonda, Makanda e Chalchat (1999) analisaram a composição dos OEs do Zimbabué, em média ao longo de 3 anos (1994-1996), com os seguintes resultados: trans-pinocarveol (28.7-28.8%), pinocarvona (13.4-2.,3 %), α-pineno (tr-23,0%) e β-selineno (5-9.9%) foram os constituintes principais, seguidos por linalol (2.4-3.2%), borneol (0.4-3.5%), 1,8-cineol (0.6-2.5%), canfeno (1.6-1.7%), alfa-canfolenal (0.9-1.0%), beta-pineno (0.8-0.9%), mirtenal (0.7-0.8%), mirceno (0.5-0.6%), alfa-muuroleno (0.4-0.5%), gama-muuroleno (0.2-0.7%), delta-cadineno (0.5%), e muitos outros.  Embora esta composição corresponda perfeitamente à dos óleos essenciais sul-africanos encontrados na literatura, é bastante diferente da dos OEs de Angola, reforçando a ideia de que existe uma grande diversidade química nos óleos africanos.

Exemplos de composição do óleo essencial

Óleo de Angola (análise interna): cis-verbenol (17.4-18.9%), pinocarvona (8.8-13.3%), α-pineno (7.4-10.8%), limoneno (7.0-10.9%), 1,8-cineol (4.4-11.8%), β-selineno (3.9%), cis-carveol (3.5-5.2%), p-cimeno (1.8-2.5%), verbenona (1.4-2.2%), germacreno D (0.9-1.6%), carvona (0.9-1.5%), mirtenal (0.8-1.1%), α-humuleno (0.7-2.3%), 2,5-dimetilestireno (0.6-0.8%), α-copaeno (0.5-1,1%), δ-cadineno (0.4-1.3%), β-cariofileno (0.3-0.9%), β-pineno (0.3-0.7%), acetato de bornilo (0.3-0.5%), canfeno (0.2-0.6%), α-muuroleno (0.2-0.5%), β- mirceno (0.2%), γ-terpineno (0.2%), acetato de α-terpenilo (0.2%), γ-muuroleno (0.1-0.4%), sabineno (0.1-0.3%), thuja-2,4(10)-dieno (0.1-0.2%), β-bourboneno (0.1-0.2%), γ- cadineno (0.1-0.2%), α-cubebeno (0.1%).
Óleo da África do Sul (Viljoen et al. 2002): trans-pinocarveol (19.57%), pinocarvona (11.13%), limoneno (6.09%), trans-p-mentha-2,8-diene-1-ol (2.70%), cis-p-mentha-2,8-dien-1-ol (2.3%), linalol (1.80%), acetato de bornilo (1.78%), α-pineno (1.61%), mirtenal (0.94%), α-copaeno (0.83%), canfeno (0.12%), β-pineno (0.16%), sabineno (0.03%), mirceno (0.16%), 1,8-cineol (0.15%), β-felandreno (0.02%), óxido de cis-anidrolinalol (0.01%), o-mentha-1(17)5,8-trieno (0.18%), p-cimeno (0.17%), óxido de α-pineno (0.01%), 1,3,8-p-mentotrieno (0.08%), aldeído de γ-canfoleno (0.04%), α-p-dimetilestireno (0.18%), α-cubebeno (0.03%), epóxido de trans-1,2-limoneno (0.03%), acetato de fenchilo (0.05%), α-bourboneno (0.02%), β-bourboneno (0.20%), pinocamfona (0.10%), benzaldeído (0.01%), β-cubebeno (0.09%), isopinocamfona (0.15%), acetato de linalilo (0.23%), trans-p-menth-2-en-1-ol (0.02%), β-elemeno (0.47%), terpinen-4-ol (0.40%), hotrienol (0.33%), cis-dihidrocarvona (0.08%), acetato de sabinilo (0.09%), aloaromadendreno (0.05%), acetato de trans-pinocarvilo (0.02%), α-humuleno (0.12%).

O produto

Os óleos essenciais são produzidos principalmente por destilação a vapor das partes aéreas durante 2-4 horas, embora por vezes tenham sido produzidos com o método mais barato, mas menos eficiente, de hidrodestilação (Viljoen et al. 2002). O rendimento pode variar em conformidade, entre 0.14% e 0.04% (hidrodestilação) (Viljoen et al. 2002; Nantapo, Marume 2022).  O OE obtido a partir de plantas angolanas tem uma cor amarela-esverdeada clara, com uma nota de saída cítrica, fresca e ligeiramente cineólica, com um aspeto de terebintina que se revela em poucos segundos. Há um picante subjacente que cresce um pouco com o tempo. O aspeto de terebintina torna-se gradualmente mais penetrante, mais quente e mais doce, com um carácter de incenso que se torna mais forte com o tempo. A nota seca é duradoura e lembra cada vez mais o incenso, embora com um aspeto mais fresco e menos luxuoso.

Atividades possíveis

Sem dúvida, a atividade biológica mais plausível para o OE é a atividade antimicrobiana, uma vez que foi ativo in vitro em várias estirpes de bactérias e fungos. Foi particularmente eficaz contra Pseudomonas aeruginosa e Aspergillus niger, em ambos os casos tão eficaz como o tratamento padrão; não foi tão eficaz com outras estirpes (Proteus vulgaris, Serratia odorifera, Salmonella typhimurium, Alternaria alternata), mas são notáveis os efeitos sobre Escherichia coli, Enterococcus faecalis, Cryptococcus neoformans e Candida albicans (Viljoen et al. 2002). Num outro estudo, o OE foi muito eficaz nos seus efeitos de maré sobre Staphylococcus aureus, Klebsiella pneumoniae e Candida albicans (van Vuuren, Viljoen 2006).

Os autores sugeriram que os possíveis compostos ativos são a pinocarvona, o trans-pinocarveol, o limoneno, o trans-p-menth-1-(7)-8-diene-2-ol, e o cis-p-menth-1-(7)-8-diene-2-ol, mas ao mesmo tempo advertem contra o estabelecimento de relações de causa-efeito não previstas. (Nantapo, Marume 2022)

Há também sugestões para outras atividades. O trans-pinocarveol foi associado a atividades estomacais, digestivas e gastroprotetoras (Nantapo, Marume 2022), e há sugestões preliminares de propriedades anticancerígenas, anti-inflamatórias, antiartríticas e antioxidantes, embora baseadas apenas em dados mecanicistas (Erhabor et al. 2020).

Toxicologia

Não foi efetuada qualquer investigação toxicológica específica sobre o OE, mas existem alguns perigos teóricos que podem ser inferidos a partir da composição química.  O α-pineno e o β-pineno (média de 7.0-12.0%) são hidrocarbonetos monoterpenos propensos a danos oxidativos e são classificados como moléculas de categoria B, moderadamente alergénicas, mas a sensibilização por peróxidos é particularmente elevada em OEs velhos ou oxidados. Da mesma forma, o limoneno (7.0-11.0%) quando oxidado pode ser reativo para a pele.

A presença de 1,8-cineol (4.4-11.8%) exige alguma cautela no uso pediátrico perto do nariz, boca e olhos, ou por inalação direta ou pela boca, mas o risco é mínimo.

A carvona (0.9-1.5%) tem um perfil alergénico ou tóxico fraco. A (-)-carvona pode ser moderadamente alergénica, mas não existem informações sobre o isómero (+)-, que é tóxico para a reprodução a 500 mg/kg em ratos machos, mas não a 375 mg/kg. O seu NOAEL é de 93 mg/kg (13 semanas), enquanto o da carvona não especificada é de 125 mg/kg.  O Conselho da Europa fixa a DDA da carvona em 2 mg/kg, e a IFRA estabelece um limite dérmico de 1,2% para a (-)-carvona nos produtos a serem deixados na pele.  O máximo oral diário é de 12,5 mg/kg para ambos os isómeros e o limite dérmico é de 23%.  Isto traduz-se num máximo oral diário de 875 mg de carvona para um adulto de 70 kg, o que significa aproximadamente 8-13 mg do OE (para um adulto de 70 kg).

Referências

  • Chagonda LS, Makanda C, Chalchat J-C (1999) “Essential Oils of Four Wild and Semi-wild Plants from Zimbabwe: Colospermum mopane (Kirk ex Benth.) Kirk ex Leonard, Helichrysum splendidurn (Thunb.) Less, Myrofhamnus flabellifolia (Welw.) and Tagetes minuta L.”  J. Essent. Oil Res.,11,573-578
  • Chukwuma CI, Matsabisa MG, Rautenbach F, Rademan S, Oyedemi  SO, Chaudhary SK, Javu M (2019) “Evaluation of the nutritional composition of Myrothamnus flabellifolius (Welw.) herbal tea and its protective effect against oxidative hepatic cell injury”. J Food Biochem.;43(11):e13026
  • Cunningham, A.B. (1993). “African medicinal plants: setting priorities at the interface between conservation and primary health care”. People and Plants working paper 1. Paris. UNESCO
  • Erhabor JO, Komakech R, Kang Y, Tang M, Matsabisa MG  (2020) “Ethnopharmacological importance and medical applications of Myrothamnus  flabellifolius Welw. (Myrothamnaceae)-A review”. J Ethnopharmacol. 24;252:112576.
  • Figueiredo, E. ; Smith, G.F. (2008). “Plants of Angola". Strelitzia 22: 1-279. National Botanical Institute, Pretoria.
  • Germishuizen, G. ,  Meyer, N.L. (eds.) (2003). “Plants of Southern Africa an annotated checklist”. Strelitzia 14: 1-1231. National Botanical Institute, Pretoria.
  • Keraudren-Aymonin, M. (1975). Flore d'Afrique Centrale (Zaire-Rwanda-Burundi), Cucurbitaceae: 1-152. Jardin Botanique National de Belgique.
  • Kokwaro, J.O. (1993) Medicinal plants of east africa 2nd edition. Kenya Literature Bureau
  • Lisowski S, Malaisse F, Symoens JJ. (1970a) “Les Myrothamnaceae, nouvelle famille pour la flore phanérogamique du Congo-Kinshasa”. Bulletin de la Jardin Botanique Nationale de Belgique.;40:225–229.
  • Lisowski S, Malaisse F, Symoens JJ. (1970b) Flore du Congo Belge, du Ruanda et du Burundi, Myrothamnaceae: 2, t. 1
  • Moore JP, Farrant JM, Lindsey GG, Brandt WF. (2005) “The South African and Namibian populations of the resurrection plant Myrothamnus  flabellifolius are genetically distinct and display variation in their galloylquinic acid composition”. J Chem Ecol.; 31 (12):2823-34
  • Moore JP, Lindsey GG, Farrant JM, Brandt WF. (2007) “An overview of the biology of the desiccation-tolerant resurrection plant Myrothamnus flabellifolia”. Ann Bot. ;99(2):211-7.
  • Moore JP, Westall KL, Ravenscroft N, Farrant JM, Lindsey GG, Brandt WF. (2005) “The predominant polyphenol in the leaves of the resurrection plant Myrothamnus  flabellifolius, 3,4,5 tri-O-galloylquinic acid, protects membranes against  desiccation and free radical-induced oxidation". Biochem J. Jan 1;385(Pt 1):301-8
  • Nantapo CWT, Marume U. (2022) “Exploring the Potential of Myrothamnus flabellifolius Welw. (Resurrection Tree) as a Phytogenic Feed Additive in Animal Nutrition”. Animals.; 12(15):1973
  • POWO (2023). "Plants of the World Online. Facilitated by the Royal Botanic Gardens, Kew. Published on the Internet; http://www.plantsoftheworldonline.org/Retrieved 18 April 2023.”
  • Retief, E. , Meyer, N.L. (2017). “Plants of the Free State inventory and identification guide”. Strelitzia 38: 1-1236. National Botanical Institute, Pretoria.
  • Tuba, Z., Lichtenthaler, H.K. (2011). “Ecophysiology of Homoiochlorophyllous and Poikilochlorophyllous Desiccation-Tolerant Plants and Vegetations”. In: Lüttge, U., Beck, E., Bartels, D. (eds) Plant Desiccation Tolerance. Ecological Studies, vol 215. Springer, Berlin, Heidelberg.
  • van Vuuren SF, Viljoen AM (2006) “A Comparative Investigation of the Antimicrobial Properties of Indigenous South African Aromatic Plants with Popular Commercially Available Essential Oils” Journal of Essential Oil Research, 18: sup 1, 66-71
  • Viljoen A.M., Klepser M.E., Ernst E.J., Keele D., Roling E., van Vuuren S., Demirci B., Baser K.H.C., van Wyk B.-E., Jäger A.K. (2002) “The composition and antimicrobial activity of the essential oil of the resurrection plant Myrothamnus flabellifolius”. South African Journal of Botany, 68(1): 100-105
  • Weiss FE. (1906) “Sketches of vegetation at home and abroad. II. Some aspects of the vegetation of South Africa”. New Phytologist 5: 5 t.2.
  • WFO (2023): Myrothamnus flabellifolia Welw. Published on the Internet;http://www.worldfloraonline.org/taxon/wfo-0000447606. Accessed on: 17 Apr 2023’